Punição, sujeito e poder: uma analítica foucaultiana.

Eli Narciso da Silva Torres, Dirlene de Jesus Pereira

Resumo


Tomando como base as transformações do sistema punitivo na transição para a modernidade, Michel Foucault forja novos instrumentos conceituais para uma analítica do poder. Gestada durante os “anos rebeldes”, este arsenal teórico e político permite-nos compreender os principais aspectos da sociedade disciplinar em crise, evidenciada pela ampla agenda de reformas de instituições sociais como o Estado e o sistema prisional, sob a batuta do neoliberalismo, no qual o discurso de liberdade se constitui o elemento central. O presente artigo procura demonstrar os principais deslocamentos efetuados pelo autor em relação ao aparelho conceitual disponível em seu tempo, realçando a dificuldade de compreensão das mudanças recentes, apartando-as da estratégia geral de poder existente em nossas sociedades, evidenciando a necessidade de uma ruptura epistemológica devido as íntimas relações entre saber, poder e sujeito na cultura ocidental.

 

 

 


Palavras-chave


Punição. Modernidade. Tecnologia Política.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, M. C. “Punição, poder e resistências: a experiência do Groupe d’Information sur les Prisons e a análise crítica da prisão” In: ALVAREZ, M.C.; MISKOLCI, R.; SCAVONE, L. O Legado de Foucault. São Paulo: Editora da UNESP, 2006, p.45-60.

BAKUNIN, M. Deus e o Estado. Tradução Plínio A. Coelho. São Paulo: Hedra, 2011.

CANDIOTTO, C. “Subjetividade e verdade no último Foucault”. Trans/Form/Ação, São Paulo, 31(1), 2008, pp. 87-103. Disponível em: . Acesso em: 19/08/2013;

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault, Um precursor pelos seus temas, conceitos e atores. Tradução Ingrid Muller Xavier. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

FOUCAULT, M. A sociedade punitiva: curso no Collège de France (1972-1973). Tradução Ivone C. Benedeti. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015.

_____. “A Tecnologia Política dos Indivíduos” In: _____. Ética, sexualidade, política. Org. Manoel B. da Motta. Tradução Elisa Monteiro; Inês A. D. Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006a, p. 301-318. (Ditos e Escritos, V).

_____. A verdade e as formas jurídicas. Tradução Roberto Machado; Eduardo Morais. 3. ed. Rio de Janeiro, NAU Editora, 2005.

_____. “Gerir os ilegalismos” In: DROIT, R-P. Michel Foucault: entrevistas. Tradução Vera Portocarrero; Gilda Carneiro. Rio de Janeiro, Graal, 2006d, pp. 41-52.

¬¬¬¬_____. História da loucura na Idade Clássica. Tradução José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1978.

_____. “Mesa-redonda em 20 de maio de 1978” In: _____. Estratégia, Poder-saber. Org. Manoel B. da Motta. Tradução Vera Lucia A. Ribeiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006b, p. 335-351. (Ditos e Escritos, IV).

_____. “Não ao sexo rei” In: _____. Microfísica do Poder. Org. e tradução Roberto Machado. 4. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984c, p. 127-137.

_____. Nascimento da Biopolítica: curso no Collège de France (1978-1979). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008. (Col. Tópicos).

_____. Os anormais: curso do Collège de France (1974-1975). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001. (Col. Tópicos).

_____. Resumo dos cursos no Collège de France sob o título geral: A História dos Sistemas de Pensamento. Portugal, Centelha Viva, s/d.

_____. “Sobre a prisão” In: _____. Microfísica do Poder. Org. e tradução Roberto Machado. 4. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984a, p. 73-81.

_____. “Verdade e Poder” In: _____. Microfísica do Poder. Org. e tradução Roberto Machado. 4. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984b, p.4-12.

_____. “Verdade e subjetividade” In: Revista de Comunicação e linguagem, nº 19. Lisboa: Edições Cosmos, 1993, p. 203-223.

_____. “Verdade, poder e si mesmo” In: _____. Ética, sexualidade, política. Org. Manoel B. da Motta. Tradução Elisa Monteiro; Inês A. D. Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006c, p. 294-300. (Ditos e Escritos, V).

_____. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GOFFMAN, I. Manicômios, prisões e conventos. Tradução Dante Moreira Leite. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

MARX, K. O Dezoito Brumário de Luís Bonaparte e Cartas a Kugelmann. Tradução Leandro Konder e Renato Guimarães. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

RUSCHE, G.; KIRCHHEIMER, O. Punição e estrutura social. Tradução Gizlene Neder. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2004. (Col. Pensamento Criminológico).

TRAGTENBERG, M. “Introdução à edição brasileira” In: WEBER, Max. Metodologia das Ciências Sociais (1). Tradução Augustin Werner. São Paulo: Cortez/Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1992.




DOI: https://doi.org/10.14295/rbhcs.v11i21.526

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

Desde 07 de março de 2009 

Programa de Pós-Graduação em História

Universidade Federal do Rio Grande - FURG

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia