Entre remédios morais e físicos: discurso médico e comportamento humano na Medicina Theologica (1794)

Ricardo Cabral Freitas

Resumo


A obra Medicina Theologica ficou conhecida pela polêmica causada pela sua publicação em Lisboa no final de 1794. De autoria anônima, o texto acusava os confessores de tratar como pecadores indivíduos acometidos por enfermidades que seriam do corpo, e que, portanto, deveriam ser tratadas pela medicina. Não tardou para que a obra fosse proibida pela censura régia e seus exemplares apreendidos. De maneira geral, o episódio costuma ser apresentado como um sintoma do clima de efervescência ideológica e de contestação da ordem que marcou Portugal dos últimos anos do setecentos. Embora o artigo não contrarie esta interpretação, ele procura mostrar que a crítica à atividade confessional na Medicina Theologica se inscreve na reivindicação de correntes filosóficas iluministas pela reformulação das relações entre conhecimento médico e sociedade, em parte motivada por preocupações com a decadência física e moral da população europeia.  


Palavras-chave


Medicina Theologica; Corpo & alma; Iluminismo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14295/rbhcs.v9i17.421

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423


 

Indexada em: 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia