Com a cabeça fervendo: nervos e câncer nas classes populares

Silvano Aparecido Redon

Resumo


As doenças exigem interpretações e acionam configurações de sentido próprias dos universos socioculturais em que os doentes estão inseridos. Se elas ocupam uma dimensão social por excelência, entender sua etiologia inserindo-a num contexto mais amplo é uma necessidade antropológica pela qual se busca conferir sentido ao “não sentido”. Os modelos nativos de causalidade das doenças são bastante complexos e variados, e nesse artigo, escrito a partir de pesquisa etnográfica realizada junto a doentes em tratamento ambulatorial de quimioterapia e radioterapia do Hospital do Câncer de Londrina, busco trazer elementos que indicam a  doença dos nervos como referência recorrente nos modelos explicativos acerca da origem do câncer nas classes populares. Trata-se de uma reconfiguração da categoria nervos, que alinhava e dialoga com questões fisiológicas, religiosas, biomédicas e com as relações de gênero, possibilitando mais bem perceber os contornos da noção de pessoa entre os grupos populares. 


Palavras-chave


Etiologia. Câncer. Nervos.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, Philippe; HERZLICH, Claudine. Sociologia da doença e da medicina. Bauru: EDUSC, 2001.

AUGÉ, Marc. Ordre biologique, ordre social: la maladie, forme élémentaire de l’événement. In: AUGÉ, Marc; HERZLICH, Claudine (Ed.). Le sens du mal: anthropologie, histoire, sociologie de la maladie. Paris: Archives Contemporaines, 1991, p. 35-91.

BALANDIER, Georges. A desordem: elogio do movimento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

BUCHILLET, Dominique. A Antropologia da doença e os sistemas oficiais de saúde. In: BUCHILLET, Dominique. (Org.). Medicinas tradicionais e medicina ocidental na Amazônia. Pará: Edições CEJUP/Museu Paraense Emílio Goeldi, 1991, p. 21-38.

CARDOSO, Marina. Médicos e clientela: da assistência à comunidade psiquiátrica. São Carlos: EDUFSCar, 1999.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

COSTA, Jurandir Freire. A consciência da doença enquanto consciência do sintoma: a doença dos nervos e a identidade psicológica, Cadernos IMS, v. 1, p. 5-44, 1997.

DUARTE, Luis Fernando Dias. Da vida nervosa nas classes trabalhadoras urbanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar/CNPQ, 1986.

DUARTE, Luis Fernando Dias. Investigação antropológica sobre doença, sofrimento e perturbação: uma introdução. In: DUARTE, Luis Fernando Dias; LEAL, Ondina Fachel. (Org.). Doença, sofrimento e perturbação: perspectivas etnográficas. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2001, p. 09-27.

DUARTE, Luis Fernando Dias; ROPA, Daniela. Considerações teóricas sobre o atendimento psicológico às classes trabalhadoras urbanas. In: FIGUEIRA, Sérvulo (Org.). Cultura da psicanálise. São Paulo: Brasiliense, 1985, p. 179-201

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Nacional, 1970.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985.

LOYOLA, Maria Andréa. Médicos e curandeiros: conflito social e saúde. São Paulo: Difel, 1984.

MALINOWSKI, Bronislau Kasper. Os argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1978 (Os Pensadores).

MAUSS, Marcel. Efeito físico no indivíduo da idéia da morte sugerida pela coletividade (Austrália, Nova Zelândia). In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003, p. 345-365.

RASIA, José Miguel. Socialidade: médicos, enfermeiros e doentes na organização hospitalar. Paper [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 02 fev. 2008.

REDON, Silvano Aparecido. A interpretação da doença e a busca de sentido: um estudo com pacientes em tratamento de câncer. Revista Anthropológicas, v. 12, p. 55-80, 2008.

REDON, Silvano Aparecido. ‘Pode ter brotado, pode ter vindo andando e se espalhou’: configurações socioculturais, práticas e representações do câncer. Dissertação (Mestrado), Universidade Estadual de Londrina – UEL, Londrina, PR, 2011.

SILVEIRA, Maria Lucia. O nervo cala, o nervo fala: a linguagem da doença. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2000.

SONTAG, Susan. A doença como metáfora. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

ZEMPLÉNI, Andras. A ‘doença’ e suas ‘causas’. Cadernos de Campo, v. 4, p. 137-163, 1994.




DOI: https://doi.org/10.14295/rbhcs.v8i15.385

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia