Escrita de si e diários: construções do gênero diante de paradigmas socioculturais

Letícia Portella Milan

Resumo


Os diários se constituíram como modos típicos da escrita de si feminina, desde que as mulheres conquistaram o direito à alfabetização, servindo como um instrumento para a construção do ser; uma maneira de se conhecer e de se fazer conhecer. O objetivo deste trabalho está em situar os diários íntimos como práticas culturais pertencentes, geralmente, às classes sociais abastadas, nas quais as mulheres estiveram delegadas a praticar a escritura, com o intuito de construir sua feminilidade. O presente trabalho faz parte de um projeto de pesquisa que tem como tema uma investigação histórica sobre os espaços de lazer e sociabilidade da elite pelotense na década de 1950. O principal ponto de referência para este estudo constitui-se no diário pessoal de Clarice Tavares Xavier, jovem pertencente a uma tradicional família gaúcha que, através do seu olhar, descreve o seu cotidiano e as diferentes impressões que tinha sobre os lugares que frequentava na cidade de Pelotas.

Palavras-chave


Diários íntimos. Elite. Lazer.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, Vany Pacheco. “Uma mulher e suas emoções: o diário de Eugénie Leuzinger Masset (1885-1889). Cadernos Pagu (19), p.113-143, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n19/n19a06.pdf, acesso em: 15/04/2016.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Do baú ao arquivo: escritas de si, escritas do outro. Revista Patrimônio e Memória, v.3, n.1, p. 45-62, 2007. Disponível em: http://pem.assis.unesp.br/index.php/pem/article/view/8/455, acesso em: 15/10/2015.

DALBEN, André; SOARES, Carmen Lúcia. A revista Vida e Saúde: modos de olhar e educar o corpo feminino em suas páginas (1940-1950). Pensar a prática, v. 11, n. 3, p. 239-250, 2008. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fef/article/view/5144/4970, acesso em: 27/11/2015.

GOMES, Ângela de Castro (Org). Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

VARGAS, Jonas Moreira. “Pelas margens do Atlântico”: um estudo sobre elites locais e regionais no Brasil a partir das famílias proprietárias de charqueadas em Pelotas, Rio Grande do Sul (século XIX). Tese (Doutorado), Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, 2013.

LEJEUNE, Philippe. Diários de garotas francesas no século xix: constituição e transgressão de um gênero literário. Cadernos Pagu (8/9), p.99-1l4, 1997. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1879/2000, acesso em: 15/04/2016.

LOPES, André Luis Borges. A modernização do espaço urbano em Pelotas e a Companhia Telefônica Melhoramento e Resistência (1947-1957). Dissertação (Mestrado), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS, Porto Alegre, RS, 2007.

MARTINS, Ana Paula Vosne. A feminilização da filantropia. GÊNERO, v.15, nº.2, p.13-28, Niterói, 2015. Disponível em: http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/article/viewFile/652/398, acesso em: 14/04/2016.

MAUAD, Ana Maria. Através da Imagem: Fotografia e História Interfaces. Tempo, vol.1, n°.2, p.73-98, Rio de Janeiro, 1996. Disponível em: http://www.historia.uff.br/tempo/artigos_dossie/artg2-4.pdf, acesso em: 17/04/2016.

MAUAD, Ana Maria; MUAZE, Mariana. A escrita da Intimidade: história e memória no diário da Viscondessa do Arcozelo. IN: GOMES, Ângela de Castro (Org). Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

MULLER, Dalila. "Feliz a população que tantas diversões e comodidades goza": Espaços de Sociabilidade em Pelotas (1840-1870). Tese (Doutorado), Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, São Leopoldo, 2010.

PERROT, Michelle. Práticas da memória feminina. Revista Brasileira de História, v. 9, nº. 18, p. 9-18, São Paulo: ANPUH, 1989.

RAGO, Margareth. Entre a História e a Liberdade: Luce Fabri e o Anarquismo Contemporâneo. São Paulo: Editora da UNESP, 2001.

REZENDE, Antonio Paulo.Freyre: as travessias de um diário e as expectativas de volta.IN: GOMES, Ângela de Castro (Org). Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

SCOTT, Joan W. Preface a gender and politics of history. Cadernos Pagu, nº.3, Campinas/SP, 1994.

______. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 20, nº. 2, p. 71-99, Porto Alegre, 1995. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/1210/scott_gender2.pdf?sequence=1, acesso em: 16/04/2016.

ZIMMERMANN, Tânia Regina; MEDEIROS, Márcia Maria de. Biografia e Gênero: repensando o feminino repensando o feminino. Revista de História Regional, p.31-44, 2004. Disponível em: http://revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/viewFile/2194/1672, acesso em: 02/10/2015.

Fontes documentais

Diário de Clarice Tavares Xavier (9 de maio de 1954 até 27 de fevereiro de 1955, Acervo pessoal da autora).

Revista Manchete, 17 de julho de 1954, nº117, Rio de Janeiro

Jornal A Opinião Pública, 1954, Pelotas.




DOI: https://doi.org/10.14295/rbhcs.v8i15.382

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

Desde 07 de março de 2009 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia