Lugares, pessoas e objetos definindo conceitos de design na Paris dos séculos XVII e XVIII: sob um olhar da Semiótica e da Psicologia Cognitiva.

Lucia Teresinha Peixe Maziero, João Henrique Bonametti

Resumo


Este artigo apresenta um estudo empírico sobre como necessidades constituídas nos indivíduos definiram conceitos de conforto, informalidade e moda, que se concretizam em design. Para a investigação foi construído um processo de análise, aplicado em um recorte do período entre os séculos XVII e século XVIII, em Paris, cenário de grandes transformações da era moderna. A hipótese que orientou a pesquisa fez referência aos significados que são formados em um processo de pensamento fenomenológico, gerado tanto no entendimento individual quanto em entendimento coletivo. Consequentemente, esses significados são identificados com base na teoria semiótica e na psicologia cognitiva, ampliando o debate a respeito da percepção e do pensamento na definição de conceitos. Como resultado, provoca uma reflexão sobre como lugares, pessoas e objetos, em evento histórico, definiram signos voltados às linguagens contemporâneas, afetando a condição socioeconômica e mudando o modo de vida das pessoas.

Palavras-chave


Semiótica. Conceitos de design. Cultura.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia