As práticas mágicas em Castela no Colírio da fé contra as heresias de Álvaro Pais no século XIV

Armênia Maria de Souza

Resumo


Álvaro Pais iniciou a redação do Colírio da fé contra as heresias entre os anos de 1345-1348. O texto enquadra-se no gênero das obras apologéticas do século XIV e, segundo o autor, tinha como objetivo precípuo combater toda e qualquer maldade herética e coibir os erros novos e velhos que, como uma peste, acometiam os reinos de Portugal e Castela, na primeira metade do século XIV. Seu intuito era “tentar ungir e curar os olhos de todos os fiéis”. No Colírio, cada artigo abrange um erro ou uma heresia consistindo na sua descrição pormenorizada e na sua conseqüente refutação, um útil instrumento pastoral, e um instrumento prático eficaz para os sacerdotes objetarem as heresias com base na Teologia e no Direito. Para tanto, o frade galego recolhe seus argumentos nas Sagradas escrituras, no Corpus Iuri Canonici e em obras dos Padres da Igreja, dentre eles Martinho de Braga e Isidoro de Sevilha, deste último compila literalmente o Liber oitavo das Etimologias. O objetivo deste artigo é a análise do pensamento de Álvaro Pais acerca da presença de astrólogos e adivinhos, mágicos, encantadores, agoureiros, nigromânticos e agentes, cujas práticas eram consideradas pecados contra fé, portanto, heresias que deveriam ser extirpadas daquela sociedade.

Palavras-chave


Etimologias, heresias, práticas mágicas, Colírio da fé contra as heresias

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

Desde 07 de março de 2009 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia