Miscigenação e Biopolítica no Brasil

Mozart Linhares da Silva

Resumo


O artigo analisa, a partir do uso de algumas ferramentas foucaultianas, como os conceitos de governamentalidade e biopolítica, as significações e ressignificações da miscigenação na história brasileira. Toma como campo de análise três contextos em que a miscigenação foi alvo de profícuas discussões, nomeadamente no que se refere às problemáticas relacionadas à “identidade nacional”: as primeiras décadas do século XX, período de efervescência da eugenia, o período varguista, sobretudo o Estado Novo, quando a democracia racial fez da miscigenação uma estratégia identitária, e o contexto dos movimentos antirracistas diferencialistas, a partir dos anos 1980, quando o Movimento Negro ressignificou a ideia de raça e com ela a de miscigenação. A análise desses contextos permite entender como foram construídos diferentes “regimes de verdade” sobre a população e sobre a “identidade” nacional, e como essas “verdades” orientaram o governamento do corpo espécie da população em três momentos da história brasileira.

Palavras-chave


Biopolítica. Miscigenação. Eugenia. Movimentos antirracismo. História do Brasil.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia