O processo de deslegitimação da escravidão no extremo sul do Império brasileiro (Alegrete, província do Rio Grande de São Pedro, c.1865-c.1888)

Marcelo Santos Matheus

Resumo


A partir de meados da década de 1860, depois que se percebeu que o fim do tráfico atlântico de escravos africanos, em 1850, não seria suficiente para pôr fim à escravidão, a elite política imperial intensificou os debates sobre a questão do elemento servil. O ápice deste processo foi a promulgação da Lei do Ventre Livre, em 1871, a qual enfraqueceu sobremaneira a legitimidade social que lograva esta instituição até então. Neste sentido, o presente artigo pretende verificar o impacto deste processo no extremo sul do Império brasileiro. O foco é o município de Alegrete, situado na região da Campanha, que tinha na pecuária e na condição fronteiriça suas principais características. Com efeito, verificou-se que, em meio à deslegitimação da escravidão, a quantidade de registros de alforrias, no contexto aqui analisado, aumentou significativamente em relação ao período anterior à aprovação da Lei de 1871

Palavras-chave


Escravidão. Deslegitimação. Alforria.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

Desde 07 de março de 2009 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia