Da construção da “individualidade” ao “indivíduo sitiado”: Uma crítica Baumaniana ao elogio do hibridismo cultural.

Ianko Bett

Resumo


O artigo tem o objetivo de colocar em evidência uma releitura Baumaniana da perspectiva teórica da categoria “hibridismo cultural” estabelecida enquanto um “carro-chefe” dos processos de construção das diferenças. Para tal empreendimento, colocaremos em discussão dois momentos da produção de Zygmunt Bauman, aqui entendidos como estudos que se complementam teoricamente, quais sejam: a construção da “individualidade” do livro Modernidade Líquida, que enfatiza a passagem do ser para o dever ser no mundo do capitalismo globalizado; e o “indivíduo sitiado” de Vida Líquida, em que Bauman trabalha e problematiza acerca da busca desenfreada pela individualidade e as suas consequências no processo de construção de identidades

Palavras-chave


Individualidade. Identidade. Hibridismo cultural.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

Desde 07 de março de 2009 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia